O Guerreiro e a Mantícora

Tão densa é a folhagem das copas que poucos são os raios de Pelor que alcançam o solo. A sensação de ser vigiado por uma miríade de criaturas e a presença dos mais diversos arbustos e vegetação tão intrincados quanto uma das tranças prateadas de Selune não ajuda a diminuir o desconforto do lugar, tornando a floresta Dalaran o território perfeito de um grande predador.

Cedrick, o bravo, está há alguns dias seguindo o rastro de sangue de uma Mantícora que está aterrorizando o vilarejo de Timbar, ao norte. O último rastro que encontrou foi o cadáver recém-assassinado (e abandonado às pressas) de um javali. As três fileiras paralelas de mordidas no flanco do animal são sinais suficientes do ataque de uma Mantícora. E ela sabe que está sendo caçada. Não leva muito tempo para o guerreiro humano encontrar o covil da besta. Pilhas de ossos e carne em decomposição de animais, bestas e humanóides. Mantícoras são renomadas por sua inteligência maligna. Cedrick cometeu um erro ao subestimá-la pensando se tratar de uma besta mágica qualquer, e já é muito tarde quando percebe que caiu numa armadilha.

Há semanas, Sekhemet, a Mantícora escondida entre os arbustos e observando sua nova presa, usa a pilha de carniça para atrair animais carniceiros e aventureiros curiosos ou corajosos demais, e há semanas ela tem alimento garantido. Se ela conseguir acertar apenas um de seus espinhos envenenados no humano, não precisará caçar por mais alguns dias…

Cedrick sente que não está mais sozinho. Posiciona seu escudo protegendo seus órgãos vitais e empunha firmemente o punho de sua espada. De repente, uma saraivada de espinhos longos como flechas é arremessada em direção ao guerreiro. Reflexos surpreendentes e as defesas místicas em sua armadura e escudo conseguem evitar todo o ataque. A uma velocidade incrível, Sekhemet desfere uma investida que derrubaria um Leão atroz, mas não Cedrick. Uma mandíbula com três fileiras de dentes afiados com adagas tenta arrancar o ombro direito do herói apenas para encontrar a ombreira mágica de sua armadura. A cauda de escorpião da fera, cujo veneno mataria um Ogro, é habilmente desviada pela espada do guerreiro, agora envolta em chamas arcanas. A couraça da fera tem suas próprias defesas mágicas e uma, duas, três vezes a arma flamejante é rechaçada sem causar dano.

A Mantícora é pura força bruta e agarra e imobiliza o guerreiro contra a pilha de carniça. As garras de Sekhemet, igualmente afiadas, conseguem atravessar as defesas do herói entre suas costelas. No momento de dor lancinante, ele quase deixa cair sua espada. Cedrick, que não é novato nos caminhos do guerreiro, segura com ainda mais força o punho da arma e, enquanto Sekhmet pensa estar em vantagem e abre suas mandíbulas, ele crava a lâmina ígnea na carne macia da garganta da fera, atravessando seu cérebro.

O guerreiro humano afasta o corpo inerte da Mantícora, se levanta e, mancando com a mão no grave ferimento, pensa “Espero que haja um bom clérigo em Timbar…”

No final das contas, foi a Mantícora que subestimou Cedrick o tomando por uma presa fácil…

  • Leandro

    cara, vou compra minha camera essa semana!
    Parabens pela fabrica de historia hehehe
    Fico Feliz de ter lembrado do Cedrick…
    abraço!

  • Fábio “Demo” Moraes

    Fiz em sua homenagem, amigo ^^

  • dragaodourado

    cool , muito loko o conto, hehe parabens

    eu adorei esse depois quero ver um com dragões

  • Leandro

    haha relaxa…facil!