Nihon no Sekai – Teatro Kabuki

Aew galera chegando a mais um Nihon no Sekai, e desta vez para diferenciar vou falar sobre cultura, mais especificamente sobre uma arte tradicional japonesa, o teatro Kabuki.

Primeiramente, O kabuki é uma forma de teatro mais popular do Japão e é levemente inspiradas no teatro Nô e no Kiogen , o significado individual de cada ideograma é canto (ka), dança (bu) e habilidade (ki), e onde a palavra kabuki pode ser traduzida como “a arte de cantar e dançar”. Uma das suas principais características é seus atores estarem sempre maquiados, alem do exageros tanto dos cenários quanto das atuações figurino e maquiagens.

O Kabuki surgiu por volta em 1603 criada pela sacerdotisa do templo xintoísta de Izumo, a Okuni, que começou em Kyoto uma companhia com um novo estilo de dança dramática. O grupo era composto só por mulheres que interpretavam tanto papeis masculinos quanto femininos, fazendo encenações sobre o cotidiano. Assim atingindo muita popularidade, mas também devido ao seu apelo era devido às sensuais e sugestivas performances o que fez em 1619 uma ordem governamental que proibiu a participação de mulheres, que foi piorando e em 1623 sendo proibido definitivamente vindo a ser reformulado e liberado em 1653, sendo  interpretado somente por homens adultos e agora com maior sofisticação e formalização. Em 1973 foi iniciada uma formalização do kabuki onde muitos elementos foram incluídos como o Hanamichi, que é uma seção extra usada no palco do kabuki. Consiste numa plataforma comprida e elevada, à esquerda do centro, que leva do fundo do teatro, pelo meio da platéia, até o palco principal. Geralmente é usada para entrada e saída de personagens, embora possa também servir para solilóquios e cenas paralelas à ação principal. Mas inicialmente não era usado na encenação, mas que permitia que os atores fossem até a platéia para receber flores, mais tarde sendo introduzindo até um palco giratório. Com o fim do xogunato Tokugawa em 1868 e a abertura do Japão para o ocidente, a cultura lutava para se adaptar à nova situação de não-isolamento, os atores batalharam para elevar a reputação do kabuki entre as classes mais altas e para adaptar os estilos tradicionais aos novos gostos, mas infelizmente na segunda guerra mundial, muitas casa de kabuki foram destruídas em bombardeios e sendo proibido  novamente sendo revogada só em 1947.

No kabuki o que realça os atores é a maquiagem estilizada. O pó-de-arroz é usado para criar a base branca e linhas contornam os olhos, os cílios e a boca para produzir as máscaras dramáticas. Cada cor está ligada a uma simbologia que representa o temperamento do personagem; assim, o vermelho retrata a ira, a cinza a melancolia, o verde os espíritos diabólicos, etc. Os cenários são ricos em cores berrantes com adereços por todo o lado, mas sem distrair o olhar do espectador e as trocas de cenário são feitas no meio da cena, com os atores no palco e as cortinas abertas. Contrarregras chamados de kuroko, sempre vestidos de preto e tradicionalmente considerados “invisíveis”, correm pelo palco colocando e tirando as peças de cenário. E a mímica possui força de expressão, os movimentos são feitos em alto nível de perfeição. Há um momento em que o ator (ou o grupo todo) para, congelado numa pose, os olhos enviesados, os braços estendidos, dedos rijos; o propósito é expressar o auge das emoções do personagem chamado de Mie.

Atualmente o Kabuki é estilo mais popular de Drama no Japão tendo muito de seus atores, reconhecidos também em cinema e televisão, onde as mulheres estão sendo aceitas novamente. Nele existente três modalidades: jidai-mono (peças históricas), sewa-mono (domésticas) e shosagoto (cenas de dança).

Em muitas séries, tokusatsus e games o kabuki é referenciado, quem não lembra do Kyoshiro Senryo, de Samurai Shodown, e no atual Ryuunosuke, do Samurai Sentai Shinkenger que ambos são atores de Kabuki?!

Bom, espero que assim como eu tenham aprendido um pouquinho mais sobre o kabuki. E see you next time.

See you next time

Referencias:

http://www.culturajaponesa.com.br/htm/kabuki.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Kabuki

http://recantodasletras.uol.com.br/teorialiteraria/1776580

http://www.mundoeducacao.com.br/japao/kabuki.htm

http://www.zashi.com.br/zashi_culturatradicional/379.php

http://www.portaldointercambio.com.br/destinos/intercambio_japao/cultura_e_lazer_japao/teatro-kabuki

  • Eu jogava (também) com o Kyoshiro, mas as minhas preferidas sempre foram a Nakoruru e a Charlotte. Não sou muito fã de cultura japonesa em geral, mas Kabuki eu acho bem diferente e interessante.
    Ωabs. ^^

  • Heloisa

    Aeeee Dragão!
    Adorei! Super legal!
    Não conhecia muito sobre o teatro Kabuki, só tinha visto algumas referências mesmo.. ^^

    Omegabeijos! :*

  • Ehh povo bunito desse teatrinho dos japoneis que o Trent adora, uahauauhauha.
    Falando sério, o Kabuki é influente a tal ponto que mangakas costumam usar alguns tipos de maquiagens em personagens de suas obras. Não recordo o nome, ams um inimigo em Yu Yu Hakusho usa maquiagem similar aos atores do Kabuki.
    Nihon no Sekai bombando o/
    Ω abraços

  • Meu, eu acho teatro kabuki foda pra caraleo. Quando assisto Samurai X, fico pensando no quanto de kabuki tem em alguns personagens.

    Bela matéria!

  • Eu jogava (também) com o Kyoshiro, mas as minhas preferidas sempre foram a Nakoruru e a Charlotte. Não sou muito fã de cultura japonesa em geral, mas Kabuki eu acho bem diferente e interessante.
    Ωabs. ^^

  • Zigga

    Acho teatro kabuki um troço bonito pa caralho. Uma pena que não seja lá muito divulgado.

    Belo artigo, como sempre, dragón.