Tag Archives: Mark Lanegan

Musicalmente Falando – Songs for the Deaf

Olá pessoas. A seção “Musicalmente Falando” foi reinaugurada pelo novo gerador de conteúdo do Omega Station, o Nerdherd. E como citado na leitura de emails do cast sobre a E3, eu voltaria a escrever por aqui. E promessa é divida, logo trago um texto analisando o fantástico álbum “Songs for the Deaf” da banda Queens of the Stone Age.

No texto, farei um esquema similar ao que faço no site Violão de 8 Bits, que é citar primeiro a playlist do álbum analisado, e fazer citações das musicas que mais se destacam, na minha opinião. E então, vamos à playlist:

1. “You Think I Ain’t Worth A Dollar, But I Feel Like A Millionaire” – 3:12

2. “No One Knows” – 4:38

3. “First It Giveth” – 3:18

4. “A Song For The Dead” – 5:52

5. “The Sky Is Fallin‘” – 6:15

6. “Six Shooter” – 1:19

7. “Hangin’ Tree” – 3:06

8. “Go With the Flow” – 3:07

9. “Gonna Leave You” – 2:50

10. “Do It Again” – 4:04

11. “God Is In The Radio” – 6:04

12. “Another Love Song” – 3:15

13. “A Song For The Deaf” – 6:42

14. “Mosquito Song” – 5:37

15. “Everybody’s Gonna Be Happy” – 2:40

 

Uma informação importante é a participação do Dave Grohl, vocalista do Foo Fighters e baterista “porra-louca” por tabela. O vocalista e guitarrista do QotSA (abreviação do nome da banda) Josh Homme, amigo de Dave desde 1992 quando Josh ainda era do Kyuss (outra banda que deve figurar por aqui em breve), fez o convite para tocar bateria no álbum, e Dave aceitou, argumentando que não tocava bateria há tempos. É notável a influência que isso causou, principalmente em musicas como “First it Giveth”, que tem um ritmo frenético aliado a um vocal todo “elegante” do Joshua. Porem essa bateria nervosa para mim é melhor representada na “A Song for the Dead”, onde um pequeno solo de bateria, aliada a uma guitarra repetitiva mas nada enjoativa introduz a musica, trazendo em seguida o incrível vocal rouco de Mark Lanegan, outro artista convidado para o álbum. E ela se encerra de maneira similar de como começou, fechando com o senhor Dave “esmurrando” a bateria.

Para ilustrar melhor, vejam a apresentação da banda no “Queens of the Stone Age live at Glastonbury 2002”.

Porem a variedade de musicas e estilos que foi o chamariz para que eu gostasse desse álbum em especial, creio que pelo álbum ser feito com base no conceito de rádio. Inclusive trechos fictícios de programas de rádios são ouvidos durante todo o álbum, sendo melhor exemplificado na musica “You Think I Ain’t Worth A Dollar, But I Feel Like A Millionaire“, cantada pelo baixista Nick Oliveri (sim, foi ele que tocou pelado no Rock in Rio de 2001) e também na “No One Knows”, onde ao fim da musicas é citada a próxima musica, bem ao estilo rádio FM. Vale também ver o clipe dessa musica, tanto pela excelência da mesma quanto para ver um cervo seqüestrando os membros da banda =D.

Vale fazer citação à musica “Mosquito Song” que em algumas versões diferentes do álbum foi cortada ou é citada como “faixa bônus”. A música em si é bem diferente, trazendo instrumentos um tanto incomuns para o rock, como a flauta, o violão e o piano. Porem aliado ao vocal formidável do Josh Homme, a musica é bela, harmoniosa e ótima para momentos de reflexão, eu pelo menos a usei para isso algumas vezes. Foi uma boa surpresa, de fato.

Esse não é o primeiro CD cronológico do QotSA, mas no meu caso foi começar com o pé direito. Álbum excelente, ouço repetidas vezes e em inúmeros momentos.

Recomendo.

Fonte de umas bagaças: Wikipédia.